quinta-feira, 7 de abril de 2011

Lembranças de Lee Brilleaux, do Dr Feelgood, que o rock perdeu há 16 anos atras

A noticia da morte de Lee Brilleaux , o inesquecível front man do Dr Feelgood foi anunciada em 07 de Abril de 1995 após sucumbir a um devastador cancer de garganta, mas por traz da figura frenetica,hipnotica e de trejeitos insanos que o grande vocalista do Dr Feelgood exalava no palco escondia-se um ser humano adororado por todos que tiveram o prazer de conhece-lo.
Sua viúva Shirley disse anos mais tarde em uma entrevista á revista "Uncut": "Ele era muito metódico e viveu a sua vida pelas regras. Em sua mente, era uma pessoa muito normal, incrivelmente moral e sua integridade foi impecável.Lee também foi muito intenso, continua Shirley,não posso esconder que não era a pessoa mais fácil de se conviver afinal não era fácil suportar a distancia que sempre pairava entre nós estávamos juntos há 18 anos e por todos esses anos ele foi um apixonado pelo trabalho que fazia e as turnes eram ininterruptas.
Larry Wallis, integrante do "Pink Fairies" lembre de Lee como uma pessoa muito leal "Se alguém se referia mal de alguém para ele, Lee dizia: 'Você está falando com o homem errado. Hoje, se eu encontrar-me com um dilema moral, eu sempre me pergunto: 'O que Brilleaux diria?"
Em 1991, Lee sentou-se com um artista local chamado Anthony Farrell e ao longo dos dois anos e meio seguidos, foi retratado em cerca de 30 sessões, resultando em dois quadros, dos quais o segundo foi concluído durante os meses finais da vida de Lee. Consideradas muito angustiante para a exposição pública, mostram Lee na devastação final do linfoma , fraco com a quimioterapia e perto da morte. "Depois que eu terminei a primeira imagem ele me disse que não estava bem", diz Anthony, "mas ele concordou em um segundo quadro, mesmo com seu drama evoluindo.
Era terrivelmente difícil ver alguém deteriorar-se em frente dos meus olhos. Eu poderia ter me acovardado em qualquer ponto, mas Lee era tão resistente como um prego. Ele sabia que o jogo tinha acabado, mas ele encarou tudo com uma força sobrehumana."
No verão de 1993, Lee saiu do hospital e levou sua família de férias para a Disneyworld, uma viagem destinada á seus filhos, Kelly e Nick, de cujo progresso em suas vidas o teria deixado extremamente orgulhoso. Nick, agora com 16 anos, tem um futuro promissor como cineasta, evidenciada pelo seu site hilariante na brilleauxfilms.com.
A última aparição pública de Lee, em fevereiro de 1994, foi no "Dr Feelgood Music Bar" em Canvey Island. Extremamente frágil, mas com um brilho em seus olhos e impecavelmente vestido, ele sentou-se num banco no centro do palco e heroicamente realizou um mix de clássicos do Feelgood como "Down At The Doctors" e recente material de sua gravação final, o Feelgood Factor.
Em 07 de abril de 1994, ele morreu, vítima de câncer aos 41 anos de idade. No funeral de Lee, seu melhor amigo e gerente de negócios, Chris Fenwick, deu um elogio comovente diante do caixão de Lee foi quefoi enterradoao som de Junior Walker "Roadrunner", um dos favoritos Brilleaux.
Até hoje todos relembram um momento engraçado da vida de Lee quando foi a um bar e pediu um gin tónico, quando o garçom lhe disse, "Desculpe, não há gelo." Lee calmamente fui ao telefone público e pediu um táxi. Vinte minutos depois ele voltou do supermercado, bateu um grande saco no bar e gritou: "Aí está o seu gelo de merda, agora me dê um gin tónico!"
"Quando estava trabalhando ele era muito cuidadoso para não cruzar a linha com a bebida, embora tenha muitas a ultrapassado", diz a esposa. "Ele estava mais apto a exagerar quando ele estava em casa. Ele adorava restaurantes, comida, vinho, livros e música - era assim que queria viver a sua vida. Mas ele também era um pai maravilhoso e um marido. Quando eu estava cursando para me tornar enfermeira ele ficava em casa, fazia as compras, cozinhava, pegava as crianças, ele fez muito pela família. Eu continuo encontrando velhos livros de receitas com anotações de Lee e muitas delas que ele mesmo inventou."
Ainda segundo Larry Walls: "Quando eles estavam em turnê, ele sempre carregava um Guia ou um livro sobre os objetos de interesse histórico dos locais onde iam. Ele saberia qual castelo para visitar e o número de estrelas dos restaurantes que estavam nas proximidades. E ele sempre sabia se em alguma pequena vila fora da cidade você poderia encontrar uma cerveja local diferente, Lee sabia muito de cada figura histórica local seria capaz de dizer-lhe algumas histórias completamente obscuras, mas incrivelmente divertidas verdade sobre qualquer um deles."
"Tão extenso era o conhecimento de Lee sobre hotéis europeus e restaurantes, construída através de anos e anos que ele até pensou em escrever um livro, que chamaria de "O Guia Brilleaux." completa Larry.
A coluna de Auberon Waugh no "Daily Telegraph" sempre foi uma leitura obrigatória, assim como Dickens, Trollope, Patricia Highsmith, Derek Raymond, Anthony Burgess e os livros de viagem de Eric Newby.
"Jornal Squire Haggard por Michael Green foi o livro favorito de Lee", lembra Larry Wallis. "Eu passei um Natal na casa de Lee chorando de rir sobre ele. Referi-me a Lee como Squire Haggard -. Muito Inglês,e Amante de um brandy decente "
Os elegantes ternos de Lee eram feitos sob medida pelos alfaiates mr. Eddie & Chris Kerr de Berwick Street Lee.
Howlin 'Wolf foi seu maior ídolo e "She Does It Right" sua canção predileta no seu Dr Feelgood.
Brilleaux foi o mestre de entretenimento, e um ingles por excelência, um cara inesquecível


. "

1 comentários:

Brilleaux foi um grande entertainer de uma banda, infelizmente, pouco valorizada no universo roqueiro.

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More